Artigos |Notícias |
26 de Fevereiro, 2020

Opinião: 2020 – O ano do… Intelligent Workspace

Para Rui Lopes, Solutions Architect da Cilnet a Logicalis Company, o ano de 2020 vai ser um período embrionário para os postos de traballho “inteligentes” desenhados para colocar a tecnologia ao serviço das empresas.

 

Tem-se tornado um hábito na comunidade de EUC (End User Computing) lançar no início de cada ano a aposta se o ano será, ou não, definitivamente o ano do VDI [Virtual Desktop Infrastructure]. Neste início de 2020, e à semelhança do que tem acontecido há sensivelmente uma década, o ritual não diferiu: aos que defendem que 2020 será definitivamente o ano do VDI, opõem-se defensores de que ainda não chegou o momento.

Ponderando todos os argumentos, estamos mais inclinados para que 2020 não seja, uma vez mais, o ano do VDI. Não porque não acreditemos no crescimento desta estratégia de transformação (a procura por este tipo de posto de trabalho vai continuar a evoluir), mas sim porque a definição de VDI se tornou redutora quando a enquadramos com as necessidades e abordagens emergentes na definição do futuro do trabalho.

A estratégia de transformar e virtualizar o posto de trabalho apresenta inúmeras vantagens, tanto para utilizadores como para as organizações, sobretudo no capitulo da gestão de IT. Do ponto de vista dos utilizadores, a mobilidade e a garantia de acesso seguro a um posto de trabalho (ou aplicações a partir de qualquer lugar ou dispositivo) continuam a ser os principais argumentos de peso na aceitação de um posto de trabalho virtual.

Por outro lado e do ponto de vista da gestão do IT, a capacidade de simplificar a gestão e ciclo de vida do posto de trabalho, a rapidez e agilidade com que são disponibilizadas as ferramentas aos utilizadores e a segurança de informação continuam a ser as principais razões para seguir esta estratégia.

No entanto é aqui que a definição de VDI começa a tornar-se redutora, e temos que admitir que nem todos os utilizadores dentro de uma organização serão casos de sucesso para uma transformação para VDI. É um panorama que verificamos de forma bastante recorrente no decorrer dos projetos de transformação que temos vindo a desenvolver.

Com efeito, haverá sempre casos de uso específicos em que a transformação não é viável (por inúmeros motivos: técnicos, políticos, práticos, …) ou nos quais a abordagem será mais racional se em vez de se disponibilizar um ambiente completo, se disponibilizar apenas as aplicações necessárias para que cada utilizador consiga desenvolver o seu trabalho. Estas aplicações poderão ser as nativas Windows, as legacy Windows, as web-based, as portáteis, as nativas mobile, etc.

Idealmente, a utilização de cada aplicação deverá ser ajustada consoante o contexto do utilizador (localização, dispositivo, condições de acesso), garantindo ao IT que pelo menos existe uma visibilidade sobre os recursos e informação consumida. Deveria ser possível simplificar e automatizar os fluxos e processos mais rotineiros, de modo a que os utilizadores pudessem concentrar a sua atenção em atividades de maior valor para as suas organizações. A satisfação de cada colaborador traduzir-se-ia num maior ganho para a organização.

 

Ver artigo original publicado pela Sapo Tek, aqui.